sábado, 13 de dezembro de 2014

A ERA HIBORIANA - FÃ-CLUBE CONAN RS

Arte de Joe Jusko
O ano de 2014 marca os 30 anos que travei contato com o personagem Conan, O Bárbaro. Este contato mudou completamente minha vida e, se hoje você lê este artigo, devemos isso ao bárbaro cimério criado por Robert E. Howard.

Corria o ano de 1984. Nesta época não existiam os shopping centers e os cinemas eram espalhados pelos diversos bairros de Porto Alegre. Em minha cidade, Alvorada, o único cinema da cidade havia fechado suas portas. Para ver um filme tínhamos que ir até o centro de Porto Alegre ou no Cine Real que ficava na Zona Norte de Porto Alegre, cerca de 20 minutos de Alvorada.

Poster do filme
Conan, O Bárbaro (1982)
Certa vez (1984), estava combinando com alguns amigos de irmos no domingo à noite ao cinema. Um colega jornaleiro nos sugeriu assistir Conan, O Bárbaro (1982), o filme que abriria as portas de Hollywood para o ator Arnold Swarzenegger. Mas, em 1984 iriamos assistir um filme de 1982 e no cinema? Nesta época não havia computador, internet, download, blue-ray, DVD... Os aparelhos de VHS eram uma coisa de outro mundo (1ª Mundo), e nem locadoras de vídeo existiam. Para rever um filme era preciso esperar passar na TV. Mas alguns filmes tornaram-se cult e eram represados nos cinemas, em especial nos cinemas de bairro. Este foi o caso que proporcionou a mim, ver em 1984, o filme Conan, O Bárbaro, de 1982.

Quando começou o filme, mostrando o massacre de uma aldeia de bárbaros ao som de uma sinfonia profana, pensei comigo mesmo: o que é isso? Resultado: saí do cinema maravilhado com o filme que apresentava um universo único, algo que não era medieval, nem pré-histórico, mas que se assemelhava a ambos, misturando espada, magia, fantasia e um autêntico sentimento de vingança. Simplesmente fantástico!

Capa da Espada Selvagem de Conan 6
editada pela Editora Abril
No dia seguinte fui até a banca de revistas deste meu amigo jornaleiro para comentar do filme. Adivinhem o que ele tinha para me mostrar? Conan, o personagem principal do filme, em quadrinhos. Fui apresentado, então, aos quadrinhos de Conan a partir da revista “A Espada Selvagem de Conan” número 06. Imediatamente fui para casa para ler a revista e descobri que os quadrinhos eram tão fascinantes quanto o filme. Tornei-me, naquele momento, um fã colecionador dos quadrinhos de Conan.

Como disse, era o número 06 da revista, então fui ao centro de Porto Alegre encontrar um sebo (loja de revistas usadas), para comprar as edições anteriores, já que mensalmente iria comprar as novas revistas. Conan era publicado nos Estados Unidos pela Marvel e no Brasil pela editora Abril. Descobri que além de “A Espada Selvagem de Conan” que tinha o forma magazine com capa colorida e miolo preto e branco, a editora Abril publicava as HQ's coloridas de Conan em uma revista mix (várias histórias de personagens diferentes numa única publicação) chamada “Heróis da TV” e em outra, a “Superaventuras Marvel”. Busquei todas as revistas onde Conan aparecia e, como tinham outras histórias, com super-heróis da Marvel, acabei pegando o gosto por ler estes personagens e histórias em quadrinhos de forma geral.

Capas de Heróis da TV e Superaventuras Marvel da Editora Abril
Desta forma, me tornei um leitor/colecionador de gibis com uma coleção que hoje beira aos quase 5 mil exemplares, dos mais diferentes estilos de gêneros de quadrinhos e com absolutamente tudo que foi publicado de Conan no Brasil. Além disso, tenho uma história de produção de fanzines e histórias em quadrinhos através do meu fanzine “Tchê” e da Quadrante Sul Comics, ou seja, a partir daquele dia, 30 anos atrás, em que assisti ao filme Conan, O Bárbaro, minha vida mudou. Se hoje, faço quadrinhos, sou um grande colecionador e um dos maiores fãs de Conan no RS – tão fã que trago o personagem tatooado na pele – devo isso ao fato de ter assistido aquela reprise de Conan no cinema.

Denilson Reis, fã de Conan marcado na pele
Para comemorar estes 30 anos de minha vida ao lado da literatura de Conan, criei o fã-clube ConanRS “A Era Hiboriana”. O fã-clube vai manter uma página no facebook, além de procurarmos levar o mundo hiboriano de Conan aos eventos de cultura pop no RS a partir de 2015. POR CROM!


Texto: Denilson Rosa dos Reis

6 comentários:

  1. Conan de R.E.Howard é realmente um marco e trouxe aquele espanto que somente as grandes obras podem alcançar...monumental concepção graças a outro gigante F.Frazetta!

    ResponderExcluir
  2. ola meu amigo...meu nome e Rogerio Kaizer...sou de Petropolis RJ mas moro em Cabo Frio tenho uma pequena pousada aqui na praia do Peró. ..sou fã tambem do Conan tenho todas as revistas do 01 ao 200....agora resolvi decorar as paredes da pousada com elas...se tiver watsapp me envia o num. que te mando fotos....abraço e parabens pelo post !!!

    ResponderExcluir
  3. Valeu Sandro! Valeu Angelo! Rogério, infelizmente não tenho watsapp, mas você pode me encontrar no facebook: Denilson.Reis.75

    ResponderExcluir
  4. Esse é o personagem que devia virar série no Netflix ou na HBO (para substituir GOT)

    ResponderExcluir
  5. Concordo plenamente Marmitt, este seria um sonho para os conanmaníacos!!!

    ResponderExcluir